O Presidente birmanês, Thein Sein, anunciou, esta segunda-feira, na capital britânica, que todos os presos políticos vão ser libertados até ao final do ano e defendeu ainda ser possível alcançar um cessar-fogo com grupos étnicos dentro de semanas.

«Asseguro-vos que pelo final deste ano não haverá prisioneiros de consciência em Myanmar» (antiga Birmânia), afirmou o chefe de Estado, num ato que figura como o mais recente no âmbito das reformas que tem levado a cabo desde que chegou ao poder em 2011.

«Procuramos nem mais nem menos do que uma transição de meio século de regime militar e autoritarismo para a democracia», declarou Thein Sein, em Londres, cidade que visita pela primeira vez.