A justiça belga anunciou, esta quinta-feira, a extradição do principal suspeito dos atentados de Paris, Salah Abdeslam, anunciou a procuradoria federal belga.

A extradição foi autorizada. As autoridades belgas e francesas vão agora decidir em conjunto como vai acontecer a transferência", pode ler-se no comunicado.

No entanto, a extradição poderá demorar porque o suspeito ainda está a ser interrogado na Bélgica pelos ataques em Bruxelas e Zaventem.

A decisão já deveria ter sido tomada na manhã desta quarta-feira, mas a necessidade de Abdeslam ser interrogado por um procurador federal adiou a decisão para a tarde.

Antes de ser conhecida a decisão, o advogado de Abdeslam revelou que o seu cliente tinha mudado de ideias e aceitado ser extraditado para a França e que tinha renovado a oferta para cooperar com as autoridades francesas.

Salah Abdeslam deseja ser transferido para as autoridades francesas e quer cooperar com elas", afirmou Cedric Moisse.

Pouco depois da detenção de Salah Abdeslam, o presidente francês, François Hollande, pediu à Bélgica para que o terrorista fosse extraditado para França para que possa responder pelos atentados de Paris.