De acordo com a declaração, publicada esta quarta-feira, os crimes ocorreram durante as visitas realizadas pelo famoso apresentador da BBC entre 1974 e Outubro de 1979.

No total, o pedófilo terá cometido 46 crimes sexuais só naquela instituição, onde tinha «livre acesso e, grande parte das vezes, sem supervisão» e onde chegou a pernoitar pelo menos duas vezes.

A cozinha, o escritório do diretor, um dos quartos da unidade de cuidados intensivos e por vezes o próprio veículo foram os locais escolhidos para abusar das crianças «emocionalmente perturbadas».  

«Sabe-se que 25 destes crimes ocorreram dentro de Duncroft, seis no Norman Lodge (o dormitório da escola) e outros quatro tiveram lugar no veículo de Jimmy Saville, fora do perímetro da propriedade», diz o relatório. 

Os crimes sexuais cometidos por Saville sobre meninas de Duncroft começaram a ser investigado, em 2007, quando a polícia de Surrey recebeu quatro denúncias de abusos de natureza sexual, incluindo dois na instituição educativa.

Depois de muito trabalho de investigação em colaboração com a CPS, as acusações acabaram por cair por terra, em 2009, porque nenhuma das supostas vítimas apoiou a ação policial. 

Apesar de todos os contratempos, as autoridades de Surrey conseguiram reunir provas e concluir a investigação, sobre a qual o relatório apresentado esta quarta-feira se baseia.  

Saville morreu em 2011, sem responder pelos crimes sexuais de que é acusado.