A St. Jude Medical, uma empresa especializada no fabrico de equipamentos médicos, emitiu um aviso sobre 400.000 desfibrilhadores cardíacos em utilização no mundo, depois de duas mortes que podem estar ligadas a estes aparelhos, após as baterias dos mesmos terem falhado.

Existem exatamente 398.740 desfibrilhadores que podem estar afetados pelo esgotamento prematuro da bateria. Os aparelhos foram fabricados antes de maio de 2015.

Os aparelhos em causa são implantados sobre a pele, na área superior do tórax do paciente. Estes dispositivos redefinem o batimento cardíaco normal quer nos pacientes com ritmo cardíaco lento como naqueles com batimento cardíaco acelerado.

A falha da bateria durante a sua utilização pode significar o fracasso desse processo ou mesmo choques para o paciente, o que pode ser fatal.

Além das duas mortes associadas a estes desfibrilhadores, dez pacientes já desmaiaram e outros 37 tiveram tonturas porque, devido à falha da bateria, o dispositivo não forneceu terapia de estimulação necessária.

Acredita-se que o esgotamento prematuro das baterias esteja ligado a uma acumulação de material de lítio nas baterias, o que pode provocar um curto circuito.

A St.Jude Medical já admitiu que, apesar de a grande maioria dos aparelhos vendidos não ter problemas com a bateria, não se sabe ao certo quantos estarão afetados.