Subiu para 15 o número de vítimas dos atentados na Catalunha. O conselheiro do Interior, Joaquim Forn, confirmou, nesta segunda-feira, em conferência de imprensa, que Pablo Pérez, o dono do carro que fugiu a um controlo policial em Barcelona, pouco depois do atropelamento nas Ramblas, é a 15.ª vítima do atentado.

Nesta fuga, que se chegou a atribuir a um traficante de droga, a polícia catalã disparou sobre o veículo e uma agente ficou ferida.

Até ao momento não tinha sido feita ligação entre ambos os incidentes, mas sabe-se agora que Younes Abouyaaqoub, o marroquino de 22 anos que atropelou mais de 140 pessoas na passada quinta-feira, nas Ramblas, roubou, depois do ataque, uma viatura ferindo gravemente o seu proprietário, que viria a sucumbir aos ferimentos.  

Pablo 'Pau' Pérez, de 34 anos, estava a regressar a casa quando foi apunhalado por Younes Abouyaaqoub e o seu corpo viria a ser encontrado dentro do carro em Sant Just Desven, a três quilómetros de distância do controlo policial.

Quando as autoridades encontraram o veículo, pensavam que a vítima, que estava no banco de trás, tinha sido atingida pelos disparos, mas a autópsia confirmou que foi dos ferimentos causados pelo esfaqueamento.

Enquanto decorria a conferência de imprensa, na rua Pelai de Barcelona, perto das Ramblas, a polícia investigava uma mochila suspeita abandonada. Segundo as autoridades, a mochila tinha objetos pessoais e tudo não passou de falso alarme.

A polícia catalã fez ainda a descrição do suspeito em fuga. Segundo o departamento do Interior, Younes Abouyaaqoub tem uma "constituição física normal, aproximadamente de 1,80 metros, pele escura, cabelo curto, pode ter barba e pode ter mudado de roupa apesar de não ter passado por casa".

Os ataques de quinta-feira fizeram 15 mortos - 6 espanhóis, 3 italianos, 2 portugueses, 1 belga, 1 norte-americano, 1 canadiano e 1 australiano - e mais de 130 feridos.