O imã de Ripoll, na região de Girona, está a ser investigado por ser o presumível cérebro dos atentados de Barcelona e Cambrils.  A polícia revistou este sábado a casa de Abdelbaki Es Satty, em Ripoll, em busca de pistas que o possam relacionar com os ataques terroristas de quinta-feira.

As autoridades admitem que o imã, de cerca de 40 anos, tenha sido uma das vítimas mortais da explosão registada numa casa em Alcanar, na província de Tarragona, onde a célula terrorista preparava um atentado em mais larga escala.

Segundo fontes da investigação, citadas pela imprensa espanhola, a chegada do imã a Ripoll, coincide com o início do processo de radicalização dos jovens que levaram a cabo o ataques desta semana.

As autoridades descobriram também que Es Satty já tinha estado detido em Castelon, devido a infrações de emigração. Tinha sido libertado em janeiro de 2012.

De acordo com o jornal "El País", os vizinhos recordam-no como uma pessoa muito reservada, que nunca demonstrou ser radical islâmico, mas que também nunca se integrou na comunidade muçulmana de Ripoll, localidade com cerca de dez mil habitantes, entre as quais se integram cerca de coinco centenas de pessoas oriundas do Magreb. Seria professor de árabe, em dialeto marroquino.

As fotos das buscas à sua habitação foram publicadas pelas agências noticiosas e mostram um apartamento modesto. Tinha um quarto alugado a um cidadão de Marrocos.