A líder da oposição birmanesa, Aung San Suu Kyi, apelou esta sexta-feira a que seja «encontrado um equilíbrio entre o otimismo e o pessimismo» para o seu país em plena transição, durante uma conferência de imprensa com Barack Obama, em Rangum.

O Presidente norte-americano, que falou depois de Aung San Suu Kyi, acrescentou que a democratização na Birmânia não está «nem atingida, nem é irreversível».

O encontro entre os dois prémios Nobel da Paz ocorreu à margem da cimeira da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e depois de uma reunião entre o Presidente Barack Obama e o seu homólogo birmanês, Thein Sein.

A líder da oposição Aung San Suu Kyi, que esteve muitos anos em prisão domiciliária, está a menos de um ano das eleições e perante um clima de receio quanto à direção das reformas no país.

Espera-se que o partido de Suu Kyi, a Liga Nacional pela Democracia, consiga conquistar a maioria dos votos em 2015, apesar de a líder estar impedida de chegar à presidência devido a uma cláusula constitucional.