A Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, poderá questionar o seu homólogo norte-americano esta semana, na Rússia, sobre o sistema de espionagem do qual terá sido vítima, aproveitando a Cimeira do G20, em que ambos participaram, segundo fontes da presidência.

De acordo com os assessores responsáveis pela agenda da Presidente brasileira, as reuniões bilaterais com chefes de Estado em São Petersburgo ainda não foram fechadas, e «pode ser» que um encontro entre Dilma Rousseff e Barack Obama aconteça.

«Não será uma coincidência cómoda neste momento, e tampouco se pode, nem se deve, evitar», disse, por seu lado, uma fonte do Governo brasileiro, citada pela Agência EFE.

A líder brasileira viajou na segunda-feira para São Petersburgo, onde chega esta noite para participar na reunião do G20, que decorre entre quinta e sexta-feira.

O episódio poderá afetar ainda a viagem que a Presidente Dilma Rousseff tinha prevista para outubro aos Estados Unidos.

Em declarações à imprensa na segunda-feira, o novo ministro das Relações Exteriores brasileiro, Luiz Alberto Figueiredo, negou-se a comentar se a viagem se mantém na agenda de Rousseff.