A morte de Freddie Gray foi “homicídio” e a sua detenção “ilegal”. Estas foram as expressões utilizadas por Marilyn Mosby a procuradora responsável pela investigação do caso e que vai, agora, levar à justiça os seis agentes envolvidos na morte do jovem norte-americano, avança a BBC.

Recorde-se que o jovem de 25 anos morreu no passado dia 12 de abril, após ser detido pela polícia. A sua morte trouxe, de novo, a violência às ruas. Muitos indignaram-se perante mais uma morte suspeita, sob custódia policial, de um jovem negro.

Esta sexta-feira, a Procuradora que liderou a investigação tornou pública, esta sexta-feira, a sua decisão de levar os seis agentes envolvidos no caso a tribunal. Os polícias vão enfrentar acusações que vão desde homicídio voluntário a ofensas à integridade física.

“Os indícios recolhidos pela investigação e a conclusão da autópsia levam-nos a acreditar que houve um homicídio” e, por isso, existem indícios para que sejam retiradas acusações criminais, afirmou a procuradora em conferência de imprensa.


A mesma fonte acrescentou que Freddie Gray morreu devido a ferimentos sofridos enquanto estava numa carrinha da polícia de Baltimore. O jovem não tinha, por exemplo, o cinto de segurança colocado, algo obrigatório por lei.

Os mandatos de detenção dos agentes já terão sido emitidos. Recorde-se que os polícias foram suspensos após a morte do jovem.

A verdade sobre a morte de Freddie Gray

Um novo vídeo mostra a polícia de Baltimore terá feito quatro paragens, e não três como era assumido até agora, antes de chegar à esquadra.

A causa da morte do jovem norte-americano que indignou Baltimore já é conhecida. De acordo com a autopsia, Freddie Gray morreu devido ao embate da cabeça num parafuso da carrinha da polícia. O ferimento na cabeça do jovem "encaixa perfeitamente" com a forma do parafuso do veículo.

Freddie Gray acabou por sofrer uma lesão na coluna, enquanto estava sob custódia da polícia e, ao chegar à esquadra, foi transportado pelos paramédicos para o hospital de Maryland, onde entrou em coma. Uma semana depois o jovem morreu.

Na altura, as autoridades afirmaram que a perseguição a Freddie Gray começou quando os seis polícias que estavam na rua se aperceberam que o norte-americano tinha uma faca do tipo canivete no bolso das calças. Quando confrontado, o jovem começou a fugir, mas rapidamente foi imobilizado. 

Esta sexta-feira, Marilyn Mosby a procuradora responsável pelo caso, também afirmou que a detenção do jovem “foi ilegal” e que as medidas do canivete na sua posse estavam “dentro da lei”.


O percurso da rua Presbury, onde tudo começou, até à esquadra terá, segundo fonte policial, demorado 30 minutos.

Contudo, um novo vídeo captado por uma câmara de videovigilância de uma loja de comida coreana, mostra que afinal a polícia não terá feito três paragens antes de chegar à esquadra, como inicialmente afirmou, mas sim quatro.

A ordem e hora dos acontecimentos será a seguinte:

  • 8:39h - A polícia confrontou Gray que se pôs em fuga a pé
  • 8:40h - Gray foi imobilizado na esquina da rua Presbury, em Sandtown
  • 8:42h - A polícia requisitou uma carrinha
  • 8:54h - A carrinha parte de Sandtown com Gray consciente e falador
  • 8:54h às 9:24h - A carrinha faz quatro paragens até chegar à esquadra
  • 9:24h - A polícia faz uma ligação ao hospital para irem buscar o jovem