Mais uma baleia deu à costa ao largo de Lincolnshire, no Reino Unido, esta segunda-feira. É o quinto animal a morrer nesta costa britânica, desde a sexta-feira passada. Uma das carcaças apareceu pintada com símbolos da Campaign For Nuclear Disarmament (CND) e com palavras contra o desastre de Fukushima.
 
Uma das baleias estava pintada com a palavra Fukushima, Men Fault (em português “culpa do Homem”) e símbolos da CND. O porta-voz da campanha para o desarmamento nuclear nega que o grupo esteja envolvido na pintura das baleias.
 

“Isto não foi feito pelo gabinete nacional da CND. E com certeza não apoiamos este tipo de ações. Condenamos este género de atos, não é o nosso tipo de campanha”, afirmou o porta-voz da CND


As palavras pintadas nas baleias apresentavam algumas incorreções ortográficas e até mesmo o símbolo da CND  que foi pintado estava diferente do habitual.

 

 
"1) Esse não é o símbolo da CND. 2) Não é assim que se escreve Fukushima. Tirando isso, bom trabalho" diz o tweet do jornalista do International Business Times

Ao todo são 17, o número de baleias que morreram no Mar do Norte, neste mês de janeiro. Ainda não existe nenhuma explicação para a causa das mortes.

As baleias são do tipo cachalote. Já a 12 de janeiro, outras cinco da mesma espécie foram encontradas numa praia na Holanda e acabaram por morrer.

Os especialistas acreditam que a baleia encontrada em Lincolnshire é da família das que têm vindo a aparecer, desde sexta-feira, em praias britânicas, avança a BBC.
 
Algumas baleias já foram autopsiadas. Uma delas explodiu no decorrer da autópsia. Um dos investigadores que examinou as baleias, Rob Deaville, disse ao Telegraph, que o interior das baleias estava em avançado estado de decomposição, o que dificulta a autópsia.
 
Os cachalotes dos quais se conseguiu analisar o conteúdo do estômago e intestinos revelaram que as baleias já não se alimentavam há algum tempo. No intestino encontraram bílis e o estômago estava vazio.
 
Estes grandes mamíferos costumam alimentar-se de lulas e outros animais que vivem em águas profundas. Em mares mais rasos, como o do Norte, podem-se sentir encurralados e não encontrar a comida necessária.