O primeiro ministro da Guiné Bissau, Baciro Djá, disse esta quarta-feira aos jornalistas que entregou ao presidente guineense a sua carta de demissão do cargo.

À saída do palácio da presidência em Bissau, Baciro Djá respondeu aos jornalistas dizendo ter acabado de entregar a sua demissão ao chefe de Estado.

Logo depois de tomar conhecimento da decisão do Supremo Tribunal de Justiça que mandou anular o decreto presidencial que o havia nomeado primeiro-ministro no passado dia 20 de agosto Baciro Djá afirmou que iria tirar as "ilações políticas" da decisão judicial.

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) da Guiné-Bissau declarou hoje inconstitucional "na forma e na matéria" o decreto do Presidente do país, José Mário Vaz, que nomeou Baciro Djá como primeiro-ministro, disse à Lusa fonte judicial.

Segundo a fonte, os oito juízes conselheiros do STJ, que fazem o papel de Tribunal Constitucional, deram o seu voto favorável no sentido de declarar inconstitucional o decreto numero 06/2015 do Presidente guineense que nomeou Baciro Djá primeiro-ministro.

A Guiné-Bissau atravessa uma  crise política depois de José Mário Vaz ter demitido o Governo a 12 de agosto e ter designado como primeiro-ministro, no dia 20,  Baciro Djá, vice-presidente do PAIGC.