O líder supremo religioso iraniano, Ayatollah Ali Khamenei, disse esta quinta-feira que «não está garantido nenhum acordo nuclear», ou seja, o Irão não aceitou nem rejeitou o acordo com as seis potências mundiais, exigindo que, para tal, todas as sanções ao país fossem levantadas imediatamente.
 

«Eu nem apoio, nem me oponho», cita a Reuters. 

 
O Ayatollah revelou que nunca se mostrou «otimista» quanto ao acordo com os Estados Unidos. Um acordo preliminar foi alcançado entre o presidente Hassan Rouhani e Barack Obama há dias. Faltava a seguir o consenso dos outros países para que as sanções impostas quer unilateralmente quer pelas Nações Unidas fossem levantadas em troca do Irão parar a produção de urânio enriquecido capaz de produzir uma arma nuclear.
 
Depois do fervor das manifestações de alegria da semana passada, o acordo está num impasse, já que os Estados Unidos, na segunda-feira, vieram dizer que as sanções ao Irão têm de ser levantadas de forma faseada. Rouhani, reagindo esta quinta-feira, reiterou que «não assina nenhum acordo se as sanções não foram abolidas no primeiro dia de implementação do acordo», como refere a BBC.
 
Em reação, a Reuters acrescenta «as dificuldades» para chegar a acordo manifestadas pela França.
 
Para as boas relações do Irão com o ocidente não contribuem também as críticas de Teerão sobre a intervenção de uma força externa no Iémen. Ainda esta quinta-feira, o Ayatollah Ali Khamenei deixou acusações, na entrevista televisiva.

«A agressão levada a cabo pela Arábia Saudita contra o Iémen e o seu povo é um erro», frisando tratar-se de «um crime e de um genocídio que deve ser analisado nos tribunais internacionais».