Enquanto decorrem as buscas pelo avião da SwifAir operado pela Air Algerie, desaparecido esta quinta-feira, começam a avançar-se algumas teorias para explicar o sucedido. O mau tempo que se fazia sentir na região onde o aparelho foi detetado pela última vez tem sido apontado como a causa mais provável para mais uma iminente tragédia. Mas houve já quem viesse lembrar que o norte do Mali é uma região de intensos conflitos e que o aparelho pode ter sido abatido, à semelhança do que aconteceu com o da Malaysia Airlines na Ucrânia.

O jornalista da SkyNews Alistair Bunkall, especialista em questões de Defesa, traça cinco possíveis cenários que podem explicar o desaparecimento do aparelho.

Avião pode ter ficado sem combustível - A hipótese foi avançada por alguns meios de comunicação argelinos. Mas, a acontecer, seria um grave erro de cálculo: o aparelho tinha descolado há 50 minutos para um voo de cerca de quatro horas. Seria pouco provável que ficasse sem combustível praticamente no início da viagem.

Abatido por rebeldes - Não sendo impossível, é também pouco provável. Apesar de muitas companhias aéreas terem suspendido os voos sobre território do Mali por causa da frágil situação de segurança, uma fonte oficial francesa citada pela Associated Press duvida que os rebeldes malianos tenham armamento capaz de derrubar um avião a tão grande altitude.

Sequestrado - Em outras seis ocasiões, aviões da Air Algerie foram sequestrados, lembra o jornalista da Sky. Mas, até agora, não foram pedidos quaisquer resgates.

Mau tempo - É mesmo a hipótese mais provável. O Governo do Burkina Faso já veio confirmar que o avião pediu uma mudança de rota pouco antes de desaparecer dos radares, por causa da fraca visibilidade. Temia a colisão com outro aparelho. Tal colisão não terá acontecido, já que, até agora, não há indicações de outro avião desaparecido. A região onde o avião estabeleceu o último contacto, junto à fronteira com a Argélia, estaria a ser assolada por uma forte tempestade na altura.

Caíu no Níger - A CCTV e vários órgãos de informação africanos avançam esta hipótese. O aparelho ter-se-á despenhado mal deixou o espaço aéreo de Niamey, a capital do Níger. Isso seria uma significativa alteração de rota para leste.