A polícia da Namíbia anunciou hoje que já recuperou os corpos de 31 das 33 pessoas que faleceram quando um

avião das Linhas Aéreas de Moçambique, que fazia a ligação entre Maputo e Luanda, caiu no norte da Namíbia.

«Só recuperamos 31 corpos no local. Não sabemos ainda dos outros corpos», afirmou o major da polícia da Namíbia, Bem Shikongo, em declarações à agência noticiosa francesa AFP.

O avião caiu na sexta-feira no Parque Nacional de Bwabwata, matando todas as 33 pessoas que nele viajavam, dos quais 27 passageiros e seis tripulantes. Entre os mortos estão seis portugueses.

A polícia está a considerar a hipótese dos corpos das outras duas pessoas terem caído do avião ainda durante a queda, afirmou o responsável, adiantando que terão uma visão mais clara sobre o que se passou esta segunda-feira, altura em que farão testes de ADN aos restos mortais das vítimas.

As caixas negras do avião também já foram recuperadas pelas autoridades, assim como dois gravadores de voz, anunciou o capitão Ericksson Nengola, diretor do departamento de investigações aos acidentes de aviação no Ministério dos Transportes da Namíbia, em declarações à AFP.

Os corpos das vítimas estão a ser transportados de helicóptero para a capital da Namíbia, Windhoek. As famílias estão a ser chamadas para identificarem as vítimas na morgue da polícia de Windhoek, assim que ficarem terminados os testes de ADN.

Comandante tinha 9.053 horas de voo

Entretanto, a LAM indicou que o comandante do Embraer 190, que se despenhou na sexta-feira, tinha 9.053 horas de voo, das quais 1.395 ao serviço de aeronaves daquele tipo.

Em conferência de imprensa hoje em Maputo, a administradora-delegada da LAM, Marlene Manave, disse que «a sua licença de piloto aéreo foi renovada a 12 de abril de 2012 e a sua última inspecção médica foi feita no dia 02 de setembro de 2013».

Segundo a administradora-delegada das LAM, o co-piloto tinha no total 1.408 horas de voo, teve a sua mais recente validação de licença a 08 de setembro deste ano e última inspecção médica a 28 de setembro 2013.

Marlene Manave acrescentou que o Embraer 190 e os seus motores tiveram a sua mais recente inspecção no dia 28 de novembro do ano corrente, tinham uma inspecção de rotina de 14 em 14 dias, após 120 horas de voo, e a revisão do aparelho era feita no Brasil.

Transportadora diz que ainda não sabe quando serão entregues os corpos aos familiares

A administradora-delegada das LAM afirmou também que ainda não foi definida a data da entrega dos corpos aos seus familiares, uma vez que esse exercício carece ainda da identificação de cada uma das vítimas.

«Não temos ideia ainda de quando é que será feita a entrega dos corpos. A identificação é feita utilizando as melhores práticas e padrões internacionais, tendo em conta a necessidade de repatriamento dos restos mortais e arranjos para os respetivos funerais, ao mesmo tempo em que mantemos o nosso foco para as necessidades das famílias das vítimas», enfatizou Marlene Manave.