O ex-presidente de Israel e Nobel da Paz Shimon Peres teve “significativas melhorias” esta quinta-feira, mas permanece em estado crítico, depois de ter sofrido um acidente vascular cerebral (AVC), afirmou o seu médico.

“Houve outro grande progresso hoje”, disse Raphy Walden, médico pessoal e genro de Shimon Peres, à agência noticiosa AFP, descrevendo o estado do Nobel da Paz como grave, mas estável.

Raphy Walden afirmou na quarta-feira, um dia depois de Shimon Peres ter sido hospitalizado, que as hipóteses de sobrevivência do nonagenário são “muito boas”.

Com 93 anos, Shimon Peres foi levado de emergência para o Sheba Medical Centre, em Tel Hashomer, nos arredores de Telavive, na segunda-feira.

O veterano político israelita desempenhou os mais importantes cargos no país, desde que este foi fundado após a II Guerra Mundial, em 1948.

Shimon Peres foi duas vezes primeiro-ministro e também presidente de Israel, cargos que ocupou entre 2007 e 2014.

Em 1994, foi-lhe atribuído o Nobel da Paz, a par com o então primeiro-ministro israelita Yitzak Rabin, posteriormente assassinado, e com o líder palestiano Yasser Arafat, igualmente já desaparecido. O prémio foi justificado com o papel dos três nos acordos de paz conseguidos em Oslo, que permitiram a criação de um Estado independente na Palestina.