Os familiares dos australianos que viajavam no avião da Malaysia Airlines, abatido em julho por um míssil alegadamente lançado pelos rebeldes pró-russos na Ucrânia, preparam uma acusação contra a Rússia, Malásia e Ucrânia, revelou a imprensa local.

O avião civil foi abatido quando sobrevoava o espaço aéreo ucraniano, fustigado por combates entre forças separatistas pró-russas e forças ucranianas, na sequência do clima de instabilidade que aquele país vive desde abril. 

Pelo menos cinco famílias apoiam a acusação que será apresentada em data ainda não determinada no tribunal Europeu dos Direitos Humanos pelo advogado e perito em aviação civil Jerry Skinner, revelou a estação de televisão ABC.

Skinner, um dos advogados que conseguiu que a Líbia tivesse pago 2.700 milhões de dólares em indemnizações pelo atentado de Lockerbie, disse que as famílias das vítimas do avião malaio merecem a mesma indemnização que as do avião da Pan Am em que morreram 270 pessoas no ano de 1988.