Uma mãe australiana abandonou os dois filhos e fugiu para a Síria para se juntar ao grupo Estado Islâmico, numa altura em que mais de 100 australianos já se juntaram aos jihadistas, escreve a imprensa local.

O governo australiano diz-se profundamente perturbado com a notícia e garante estar a acompanhar de perto a situação.

Segundo o Sydney Daily Telegraph, Jasmina Milovanov, uma jovem de 26 anos convertida ao islão, deixou os seus filhos, de cinco e sete anos, com uma babysitter no início do mês e nunca regressou.

A mulher, que agora se chama Assma Abdullah, terá dito à babysitter que ia buscar um carro novo.

A sua mãe disse agora à imprensa australiana que os filhos estão com o pai.

Austrália retira cidadania a cidadãos com ligações ao terrorismo

A Austrália anunciou esta terça-feira que vai retirar a cidadania a pessoas com dupla nacionalidade que tenham ligações ao terrorismo, por considerar que estão a "trair o seu país", garantindo, no entanto, que ninguém ficará apátrida.

O primeiro-ministro Tony Abbott explicou que esta emenda à lei vai aplicar-se a cidadãos com dupla nacionalidade que lutem ou apoiem grupos jihadistas como o Estado Islâmico ou também a pessoas que trabalhem sozinhas mas representem uma ameaça ao país.

No entanto, o Governo desistiu de retirar a cidadania aos australianos de segunda geração. Nesse cenário, estes nacionais ligados a grupos terroristas seriam forçados a ficar com a cidadania dos países dos pais.