A mulher de Samy Aminour, um dos três kamikazes da sala de concertos parisiense Bataclan, está orgulhosa da participação do marido nos atentados de novembro e lamenta não ter podido explodir-se com ele, noticia hoje o diário Le Parisien.

Em diversos correios eletrónicos enviados desde a Síria, Kahina, de 18 anos, disse ter estado ao corrente dos planos de Samy Aminour “desde o princípio”, e de lhe ter falado em ir a França para “aterrorizar a população francesa, que tanto sangue tem entre as suas mãos”.

“Nada será como dantes. Invejo tanto o meu marido, gostava tanto de ter estado com ele para me fazer explodir”, assinalava numa mensagem no dia 18 de novembro, cinco dias depois dos ataques, que fizeram 130 mortos e mais de três centenas de feridos.