A organização da maratona de Boston anunciou esta quinta-feira a proibição de mochilas e sacos em alguns locais da prova, no âmbito das medidas de segurança introduzidas um ano depois dos atentados que vitimaram três pessoas, em 2013.

«Mochilas e sacos não serão permitidos em certos locais, na partida e na zona perto dela, em Hopkinton, e na meta ou nas imediações, em Boston, e ao longo do percurso», informou a organização.

Na edição de 2013 da emblemática corrida explodiram bombas junto à linha de chegada, provocando a morte a três pessoas e ferindo outras 250, levando a organização a adotar medidas de segurança mais apertadas para a prova de 2014.

Este ano, nem mesmo os participantes vão poder transportar mochilas ou sacos para guardar os seus pertences.

«Com um aumento da área, e para segurança de todos, estamos a trabalhar com as autoridades oficiais públicas para assegurar que vamos preservar a excecional experiência de corrida, que faz da maratona de Boston uma referência no mundo do desporto, ao mesmo tempo que fazemos o dia da corrida mais seguro e agradável para todos», refere a mesma fonte.

A organização apela à «cooperação, paciência e compreensão» dos participantes, que se devem dirigir atempadamente para a partida.

Na corrida de Boston, marcada para 18 de abril, vão ser também proibidos recipientes de vidro, garrafas com mais de um litro de líquido, assim como roupa com bolsos, fatos volumosos ou máscaras, sendo que a organização vai fornecer sacos de plástico transparente para os corredores que pretendam depositar uma muda de roupa na partida, para levantarem à chegada.

«Qualquer outra pessoa no percurso que não esteja inscrita, ou que tenha escondido, o dorsal oficial da organização vai ser banida», acrescenta a Associação de Atletismo de Boston (BAA), no mesmo comunicado em que anuncia as principais consequências na segurança da corrida, em virtude dos atentados de 2013.