Dois dos bombistas suicidas que se fizeram explodir nos atentados de Bruxelas constavam da lista contraterrorismo dos Estados Unidos da América, segundo fontes citadas pela Reuters.

Ibrahim El Bakraoui integrava essa lista negra ainda antes dos atentados de novembro em Paris e o seu irmão Khalid passou a constar logo a seguir.

Khalid El Bakraoui

Ibrahim El Bakraoui era um cidadão belga e sobre o seu passado recente sabe-se também que foi detido na localidade de Gaziantep, junto à fronteira turca com a Síria, e deportado da Turquia em junho de 2015.

Acabou deportado para a Holanda - a seu pedido (como cidadão da UE tem direito a escolher o país para onde quer ir) - com o conhecimento das autoridades belgas, que, segundo a presidência da Turquia, terão ignorado os avisos sobre o facto de o homem poder ser um jihadista do Estado Islâmico.

Este homem deixou um computador e um testamento revelador num caixote do lixo, onde dizia estar sob pressão e sem saber o que fazer, estando a ser procurado por todo o lado e prevendo que iria acabar numa cela da prisão. Acabou com a própria vida ao fazer-se explodir no aeroporto de Zaventem. 

As autoridades belgas reconheceram "erros" na prevenção dos ataques.