A polícia de Munique sublinhou, este sábado, em conferência de imprensa, que o jovem que disparou, na sexta-feira, contra as pessoas que frequentavam o Centro Comercial Olympia não tinha qualquer ligação a refugiados ou ao Estado Islâmico. As autoridades sublinham ainda que o rapaz de 18 anos, alemão de origem iraniana, nasceu e cresceu em Munique e era estudante.

Com base nas investigações, não há quaisquer indicações de ligações ao Estado Islâmico”, adianta Hubertus Andrae, chefe da polícia de Munique.

Na mesma conferência de imprensa, a polícia avançou que o rapaz recebia acompanhamento psiquiátrico e estava medicado.

Fotografia de Ali David Sonboly, divulgada pelo jornal Bild 

Um porta-voz da procuradoria de Munique, Thomas Steinkraus-Koch, adianta que o jovem estaria a tartar uma depressão: “Achamos que ele estaria em depressão. Tanto quanto sabemos, não tinha cadastro nem era conhecido da polícia. Em 2010 e 2012, terá sido atacado. Numa das ocasiões, foi agredido por três jovens.”

          Veja também: 

A polícia adianta ainda que o jovem tinha um livro no quarto sobre tiroteios. De acordo com Hubertus Andrae, o jovem tinha mais de 300 balas na mochila.

Ali David Sonboly teria uma espécie de obsessão por Anders Behring Breivik, o norueguês que matou 77 pessoas em 2011. A polícia sublinha mesmo que a escolha da data não terá sido ao acaso: esta sexta-feira, cumpriu-se o quinto aniversário do massacre levado a cabo por Breivik.

Ataque de Munique coincidiu com o quinto aniversário do massacre levado a cabo por Anders Behring Breivik e que fez 77 mortos

O ataque desta sexta-feira à noite fez 10 mortos, incluindo o atirador, cujo corpo foi encontrado perto do Centro Comercial Olympia com sinais de suicídio. Outras 27 pessoas ficaram feridas, quatro das quais com ferimentos de balas. Um agente da polícia foi também atingido.