O condutor do camião que causou uma carnificina na Avenida dos Ingleses, em Nice, foi identificado como sendo Mohamed Lahouaiej Bouhlel. A informação é do jornal Nice Matin, que já ontem tinha avançado, em primeira-mão, que se tratava de um franco-tunisino de 31 anos. 

De acordo com o Le Figaro, Lahouaiej-Bouhlel é motorista de entregas e recolhas na capital da Côte d’Azur. Lahouaiej-Bouhlel era conhecido da polícia por ter cometido crimes menores. Alegadamente, também foi condenado em março devido a um incidente violento. Mas o homem, que não tem cadastro no arquivo S de pessoas procuradas, não era conhecido dos serviços de inteligência.

Mohamed Lahouaiej Bouhlel disparou várias vezes antes de ser abatido pela polícia. "Ele atirou várias vezes”, afirmou o presidente da região de Provence-Alpes-Cote d'Azur, Christian Estrosi. Tinha alugado o camião na véspera do atentado.

No Twitter de um jornalista surgiu aquela que podia ser a primeira imagem do motorista do camião. Mas autoridades não confirmaram veracidade. A imagem foi, entretanto retirada, da conta de Twitter. 

No entanto, as autoridades terão encontrado documentos de identificação do motorista dentro do camião depois de o terem abatido. E pouco tempo depois, era uma imagem do alegado documento que era revelada por diversos órgãos de comunicação social.

Mohamed Lahouaiej Bouhlel acelerou com o camião pela avenida, onde se encontravam uma multidão, ao longo de cerca de dois quilómetros. Pelo menos 84 pessoas morreram e mais de cem ficaram feridas, entre as quais estão cerca de 50 crianças.

Esta manhã soube-se que terá sido encontrado um segundo cartão de identidade no camião.

Segundo o jornal de Nice, também esta manhã foram feitas buscas na residência de família do suspeito de terrorismo, autor da morte de pelo menos 84 pessoas. Trata-se da residência onde viveu com a família, mas de onde foi expulso na sequência de violência doméstica, avançam os vizinhos ao Nice Matin.
 

Suspeito de terrorismo viveu na zona norte de Nice, na Avenida Henri Sappia.

Uma fonte próxima da investigação, citada pela agência AFP, indicou na quinta-feira, por seu turno, que no camião de 19 toneladas estava uma granada “inoperacional”, a par com “uma série de falsas caçadeiras”.

O motorista é descrito pelos vizinhos como uma pessoa “solitária” e “silenciosa”. A agência de notícias francesa AFP, que fez mais de uma dezena de entrevistas a vizinhos, indica que não aparentava ser uma pessoa religiosa.

A vizinhança do pequeno prédio de quatro andares descreve o ar descontraído e também algo soturno de Mohamed Lahouaiej Bouhlel. Andava de calções, por vezes calçava botas, descreve Sebastião, habitante do mesmo edifício.
  

No andar de cima, uma família diz que o homem nunca respondia aos a cumprimentos que lhe faziam. Uma vizinha do rés-do-chão, Anan, diz à AFP que Bouhlel não lhe inspirava confiança porque este olhava muito para as suas duas filhas. 

Apartamento de Mohamed Lahouaiej Bouhlel passado a pente fino.