A célula terrorista de Bruxelas pretendia voltar a atacar em França, mas os avanços nas investigações fizeram-nos mudar as ações para Bruxelas, indicou este domingo a Procuradoria Federal.

A Procuradoria Federal confirma que vários elementos da investigação indicam que o objetivo do grupo terrorista era atacar de novo a França”, sublinhou o Ministério Público num comunicado.

Quando se deram conta da investigação francesa em torno dos ataques, mudaram de ideias.

O documento acrescentou que os terroristas, “surpreendidos pela investigação, que avançava a grandes passos, finalmente tomaram a decisão urgente de atacar em Bruxelas”.

Entretanto, a Procuradoria Federal informou também que um juiz de instrução acusou Mohamed Abrini, o “homem do chapéu”, de participar em atividades de um grupo terrorista e de assassinatos terroristas no âmbito da investigação dos atentados de 22 de março, em Bruxelas.

Mohamed Abrini já tinha sido acusado pelos atentados de 13 de novembro, em Paris.

Os atentados de Paris causaram 130 vítimas mortais e dos de Bruxelas 32.