Os ataques em Bruxelas desta terça-feira estão condicionar as vias de comunicação na Europa.

O aeroporto belga foi de imediato encerrado e evacuado, as ligações aéreas para Bruxelas canceladas. Era o primeiro passo de uma série de condicionamentos que estão a ter lugar no país e que afetam outros países também.

Todos os voos de e para o aeroporto de Bruxelas foram cancelados. 

 

Logo após as explosões, as ligações ferroviárias foram canceladas, incluindo o metro, onde também ocorreram explosões. Os autocarros também pararam. 

 

Num efeito bola de neve, as ligações de comboio de Bruxelas para o Reino Unido também foram suspensas. 

 

A empresa de transportes ferroviários franceses apelou aos passageiros para adiarem as viagens previstas para os dias 22 e 23 de março, permitindo a devolução do dinheiro dos bilhetes. 

 

Em Portugal, as consequências também se fazem sentir.

Todos os voos Lisboa-Bruxelas e Bruxelas-Lisboa foram cancelados na sequência das explosões registadas no aeroporto e no metro da capital belga, que causaram vários mortos e feridos, adiantou à Lusa uma fonte da ANA.

 

“Temos seis voos cancelados de Lisboa para Bruxelas e cinco de Bruxelas para Lisboa, uma vez que o voo da TAP que fazia Bruxelas-Lisboa tinha partido antes das explosões e chegou bem à Portela”, disse à agência Lusa o porta-voz da ANA- Aeroportos de Portugal.

Entretanto, o porta-voz da transportadora aérea portuguesa adiantou à Lusa que arrancou às 09:45 um voo de Lisboa com destino ao Luxemburgo, sendo os passageiros depois transportados via terrestre, por autocarro, para a capital belga.

Outros aeroportos não pararam mas reforçaram a segurança, como avisou de imediato Heathrow, em Londres, e Charles de Gaulle, em Paris. 

 

 

 

Outros dos principais aeroportos europeus e porta de entrada no continente, Schipol, em Amesterdão, na Holanda, também tem a sua atividade condicionada. 

 

Com as fronteiras com a Bélgica fechadas, é de aguardar outros constrangimentos.