O piloto que comandava o voo da Asiana Airlines diz que ficou momentaneamente cego devido a um clarão de luz quando procedia à manobra de aterragem do Boeing 777 que se despenhou no aeroporto de São Francisco.

Lee Gang-guk disse aos peritos sul-coreanos que se deslocaram aos Estados Unidos para investigar o acidente e também à Comissão de Segurança de Transportes norte-americana (NTSB) que viu um clarão quando estava a uma altitude de 150, o que equivale a cerca de 34 segundos de atingir a pista.

A hipótese de um laser a interferir com a visão do piloto não foi rejeitada ou confirmada. «Não sabemos o que poderá ter sido», afirmou apenas Deborah Hersman, responsável pela NTSB.