Os pais do menino britânico de 11 anos que tem um tumor no cérebro explicaram os motivos que os levaram a tirar o filho do hospital de Southampton, no sul de Inglaterra, esta sexta-feira, e a transportá-lo até Málaga, sul de Espanha.

O casal considerava os tratamentos a que o pequeno Ashya estava sujeito muito agressivos para a sua idade. Brett garantiu ter investigado sobre a doença e descoberto um tratamento mais eficaz e menos evasivo noutros países europeus.

Brett King, de 51 anos, e Naghemeh King, de 45, dizem ter-se sentido incomodados com a projeção mediática dada ao caso, onde são «rotulados de raptores» e acusados de pôr a vida do filho em risco por «negligência». Foram detidos e presentes a tribunal, algemados, este domingo.

No vídeo onde dão a sua versão da história, filmado no quarto de hotel de Vélez-Málaga, onde a família está instalada, vê-se Brett com a criança ao colo e ao lado a máquina que permite que Ashya se alimente. «Como veem está tudo ligado, temos imensos sacos destes. Temos os suplementos e a medicação», diz Brett, referindo-se aos medicamentos e alimentos para estabilizar o estado do filho.

A criança parece estar estável e tranquila na companhia dos familiares, e o pai garante que está muito mais bem-disposto e comunicativo. O vídeo foi publicado por um dos outros filhos de Brett e Naghemeh, Naveed King.



A família King é testemunha de Jeová e, segundo o pai, o médico que seguia Ashya deixou-o sem opções. «Dizia que se continuava a questionar os procedimentos dele, chamava a segurança e não podíamos estar com o nosso filho», explicou.

A carrinha onde a família seguia foi denunciada pela rececionista do hotel onde está albergada.

O casal King tem no total sete filhos. Ashya foi entretanto transportado para um hospital local, refere a Sky News.