A artista suíça Miló Moiré protagonizou um momento de arte performativa invulgar. Na entrada da Art Colónia, na Alemanha, a artista «deu à luz» para uma obra de arte e expeliu ovos de tinta da vagina para uma tela vazia. Miló Moiré fez a «performance» num espaço público, fora do recinto da feira de arte, e ofereceu aos que passavam, a visão de uma mulher nua, em trabalho de parto, noticia o jornal inglês «The Guardian».

«The PlopEgg Painting» («A pintura dos ovos postos») analisa uma corrente de pensamentos sobre o medo da criação, a força simbólica do casual e do poder criativo da feminilidade.

«No final deste desempenho a arte do nascimento quase meditativo, a tela manchada é dobrada, alisada e desdobrada numa imagem refletida de forma simétrica, surpreendentemente colorida e cheia de força», refere a descrição que acompanha o vídeo que foi divulgado da «performance».

Esta não é a primeira vez que Miló Moiré tem um desempenho que testa os limites. Na peça «Script System», a artista andou de transporte público, no dia do próprio aniversário, e surpreendeu muitos passageiros pela nudez ousada. Miló Moiré segue os passos de outros artistas, como Marina Abramovic, Yoko Ono ou Franco B, que utilizam formatos de nudez como forma de rutura artística.