O arcebispo da Cantuária, líder da Igreja Anglicana, afirmou que o medo que muitas pessoas manifestam pelos migrantes não deve ser confundido com racismo.

Numa entrevista à revista parlamentar britânica “The House”, Justin Welby admitiu que é normal que as pessoas temam a crise migratória e que chamá-las de racistas é “absolutamente ultrajante”.

É normal ter medo perante uma crise tão colossal. Este é um dos maiores movimentos de pessoas da história humana. É enorme. É normal estar receoso”, afirmou. “Há uma tendência para afirmar que essas pessoas são racistas.”

Justin Welby defendeu ainda que é essencial ouvir os medos das pessoas e canalizar recursos para os evitar.

Nas comunidades mais frágeis - e eu trabalhei em muitas enquanto sacerdote - há um medo genuíno: o que acontece com a habitação? Com os empregos? Com o acesso aos serviços de saúde?”

O arcebispo elogiou ainda a forma como o Reino Unido tem lidado com a situação, defendendo que os britânicos têm reagido "brilhantemente" perante os desafios que a crise migratória tem colocado.

O medo é justificado, eu não o critico nem por um momento, mas também devemos ter esperança, porque temos capacidade para isso. Somos esse tipo de pessoa, sempre fomos”, acrescentou.

Justin Welby aproveitou para apelar a uma união entre países, sublinhando que para lidar com um problema de grande escala é necessário responder "em grande escala" e o Reino Unido deve "fazer a sua parte".