Um jovem de 19 anos do estado norte-americano do Indiana viu a sua vida virada do avesso, depois de ter conhecido uma rapariga através de uma aplicação. Agora, Zach Anderson integra as bases de dados de abusadores sexuais e, por isso, está impedido de aceder à Internet, de ir a centros comerciais, de ficar perto de escolas ou recreios e, como tem um irmão de 15 anos, já nem se quer pode viver na casa dos pais.

Tudo aconteceu depois de ter conhecido uma rapariga através da aplicação “Hot Or Not”. A adolescente, do Michigan, disse-lhe que tinha 17 anos, mas mentiu pois tinha apenas 14. Como tiveram relações sexuais, Zach cometeu um crime, foi detido e condenado, escreve a CNN.

Zach foi condenado a 90 dias de prisão e ficou a integrar as bases de dados de abusadores sexuais do Indiana e do Michigan nos próximos 25 anos.

A rapariga e a mãe testemunharam no tribunal, declarando que Zach não devia pertencer a estas bases de dados.

Fora das instâncias judiciais, a rapariga admitiu que mentiu sobre a idade e enviou uma carta à família, a que a CNN teve acesso.

“Lamento não ter dito a minha idade. Mata-me todos os dias saber que estás passar por um inferno e eu não. Quero ser eu a estar em sarilhos e não tu.”


Mesmo que as relações sexuais tenham sido consensuais e, mesmo que a adolescente tenha mentido sobre a idade, estes factos não podem ser usados pela defesa, de acordo com a atual legislação dos Estados Unidos.

Por isso, muitos especialistas defendem que a lei não está de acordo com os tempos de hoje e que é preciso haver uma alteração da mesma.

“Se apanhássemos todos os adolescentes que violaram a lei atual teríamos de prender 30 a 40% dos jovens dos liceus. Estamos a enganar-nos a nós próprios”, afirmou o antigo juiz William Buhl à CNN.


Um relatório muito duro da Human Riight Watch sobre este tema, que data de 2013, defende que não há “provas” de que colocar adolescentes nestas bases de dados torna as comunidades mais seguras.

Zach aguarda agora uma nova audição no tribunal. O advogado vai tentar atenuar a sentença do tribunal.

Fã de computadores, o jovem ainda tem esperança de conseguir construir uma carreira nesta área.