O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que a líder de facto birmanesa, Aung San Suu Kyi, tem "a última oportunidade" de deter a ofensiva armada que obrigou milhares de rohingya a fugir da violência.

Numas declarações à BBC divulgadas este domingo, Guterres afirmou que, se a Nobel da Paz não atuar, "a tragédia será absolutamente horrível", depois de milhares de rohingya terem fugido para o Bangladesh para escapar à violência na Birmânia (Myanmar).

Mais de 400 mil rohingya já fugiram da Birmânia para o Bangladesh (Reuters)

Segundo o secretário-geral da ONU, a líder de facto tem a última oportunidade de deter a ofensiva durante um discurso que está previsto fazer ao país na terça-feira.

Se ela não reverte a situação agora, então creio que a tragédia será absolutamente horrível e desafortunadamente não vejo como isto possa modificar-se no futuro", adiantou Guterres, defendendo que se deveria deixar os rohingya voltar para casa.

A ONU advertiu que a ofensiva armada pode ser considerada como uma limpeza étnica.

Os mais de 400.000 rohingya que chegaram ao Bangladesh a fugir da violência na Birmânia instalaram-se em campos improvisados ultra ocupados, enquanto as autoridades impõem restrições aos seus movimentos.