Finalmente, puseram os pés no chão. Na manhã de sexta-feira, os últimos dos 110 turistas que ficaram presos nas cabinas de um teleférico nos Alpes foram resgatados. Depois dos 65 que foram salvos ainda na quinta-feira, os restantes tiveram de passar a noite suspensos, ao frio. Entre eles estava uma criança italiana de 10 anos e duas outras coreanas de sete e nove anos.

Os turistas ficaram retidos nas cabinas do teleférico na quinta-feira à tarde, a 3600 metros de altitude, quando os cabos se emaranharam. As equipas de salvamento conseguiram resgatar 65 usando helicópteros, que a dada altura não puderam mais voar, devido ao vento forte, ao nevoeiro e ao anoitecer.

Na manhã de sexta-feira, foi possível desemaranhar os cabos e as cabinas do teleférico voltaram a circular. Os turistas foram levados para Chamonix, em França, e para a cidade italiana de Courmayeur. Uma operação já confirmada e louvada pelas autoridades regionais francesas da Alta-Sabóia.

Pendurados uma noite

Quando as condições atmosféricas pioraram, no final de quinta-feira, os helicópteros deixaram de voar. Cinco elementos das equipas de salvamento entraram então nas cabinas do teleférico levando cobertores, comida e água para ajudar os últimos 33 turistas a passar a noite. Já que, doze outros, revelaram as autoridades com mais precisão, puderam ser tirados de outra forma, aproveitando o facto das cabinas onde estavam estarem mais próximas do solo.

Com o nevoeiro a adensar, sem possibilidade de voo para os helicópteros, os elementos das equipas de salvamento começaram a resgatar as pessoas que estavam nas cabinas mais próximas do solo. Alguns passaram ainda por um abrigo na montanha, até chegarem a porto seguro.

"Cirurgia aérea"

Finda a operação de salvamento, os turistas contaram a experiência que, seguramente, não pretendem repetir.

Ficámos quase dez horas na cabina. O teleférico saiu cerca das 2:30 da tarde e foi antes da meia-noite que nos tiraram das gondolas, o que foi mesmo uma experiência", relatou Kathy Cook, uma turista norte-americana de Michigan, ouvida pela agência Associated Press.

O salvamento por helicóptero falhou quando o nevoeiro se adensou, portanto tivemos de esperar. Até que eles decidiram que nos podiam trazer para o solo em segurança e andámos pelo glaciar até um abrigo", acrescentou a turista.

Satisfeitas no final ficaram também as autoridades envolvidas no salvamento, "uma operação simplesmente inacreditável", nas palavras de Frederic Labrunye, comandante da polícia da Alta-Sabóia.

Pela descrição do responsável, os helicópteros tiveram de sobrevoar o cabo, com os riscos que isso comporta, baixar depois um opoeracional numa área "não maior do que uma mesa", e alçar os passageiros um a um, naquilo que se pode até chamar de "cirurgia aérea".

O teleférico onde ocorreu o acidente tem uma extensão de cinco quilómetros de cabo e 36 cabinas. Liga o pico francês de Aiguille de Midi, a 3.842 metros de altitude ao Pointe Helbronner, em Itália, situado a 3.462 metros. As vistas espetaculares sobre a zona do Monte Branco e os seus vales explicam a imensa afluência de turistas.