A União Democrata Cristã (CDU), partido de Angela Merkel vencedor das eleições de setembro mas sem maioria, não conseguiu um acordo com os liberais do FDP e com Os Verdes para formar um novo governo na Alemanha. A chanceler alemã já fez saber que vai informar o presidente do país, Frank-Walter Steinmeier, do falhanço das negociações, noticia a Reuters.

A agência noticiosa sublinha que as negociações entraram em rutura no domingo, depois do FDP se ter retirado do processo, citando diferenças irreconciliáveis. 

A decisão do FDP coloca Merkel num impasse, que pode conduzir a uma crise política.



Não houve progresso hoje [domingo], até houve revezes", declarou o líder do FDP, Christian Lindner.

Os pontos críticos das negociações têm que ver com a política de refugiados, a luta contra as alterações climáticas e os desejos de reduções fiscais por parte do FDP.

Após o fracasso de mais uma ronda negocial, Angela Merkel garantiu que fará tudo para que a Alemanha seja bem liderada durante "as difíceis semanas que se avizinham".

"É um dia de profunda reflexão sobre como avançar na Alemanha", declarou Merkel aos jornalistas, citada pela Reuters. "Como chanceler, farei tudo para assegurar que o país é bem gerido nas semanas difíceis que se avizinham".

De acordo com a Reuters, a decisão de Merkel se encontrar com o presidente da Alemanha, que tem o poder de convocar novas eleições, para lhe dar conta que fracassou na formação de uma coligação governativa, poderá querer dizer que a chanceler não procurará formar um governo minoritário apenas com os Verdes. 

O presidente alemão, Frank Walter Steinmeier, tinha instado os partidos a chegarem a um compromisso e apelou para que assumissem as responsabilidades que os eleitores lhes deram nas eleições de setembro.

Na história da República Federal da Alemanha, isto é desde 1949, nunca houve um governo de minoria a nível federal, e formaram-se sempre coligações com acordos prévios que fazem as vezes de programa comum de governo.