A chanceler alemã, Angela Merkel, foi esta quarta-feira empossada como chefe do Governo germânico, quase seis meses depois das eleições que obrigaram a longas negociações para garantir o apoio do Partido Social Democrata (SPD).

A tomada de posse acontece horas depois de os deputados terem votado favoravelmente a eleição Merkel, abrindo as portas para o cumprimento do quarto mandato consecutivo, ao fim de seis meses de impasse político.

Na votação no Parlamento, dos 688 votos válidos, 364 deputados disseram “sim” a Merkel, mais nove do que o necessário para atingir a maioria requerida, mas menos 35 do que a maioria teórica do total de eleitos conservadores e sociais-democratas (399).

Segundo os resultados da votação secreta, registaram-se nove abstenções e 315 votos contra.

A coligação de Merkel envolve os conservadores da União Democrata Cristã (CDU) e da União Social Cristã (CSU), bem como o Partido Social Democrata (SPD), de centro esquerda, cujos deputados, no total, representam 399 assentos parlamentares.

A votação de hoje põe termo a 171 dias de impasse governamental – mais do dobro do anterior recorde –, criado após as eleições de setembro, em que os três partidos perderam força política num país cuja economia é a maior da Europa.