A chanceler alemã, Angela Merkel, e a direção do Partido Social Democrata (SPD) chegaram a acordo para iniciar negociações para a formação de uma «grande coligação» de governo, segundo fontes dos dois partidos.

Quase um mês depois das eleições de 22 de setembro, os dirigentes da União Democrata Cristã (CDU) e do SPD chegaram a acordo no final de uma terceira ronda de contactos exploratórios, esta quinta-feira, em Berlim, segundo as fontes citadas pela agência France Presse.

A CDU de Merkel, o seu aliado da Baviera CSU e o SPD vão agora recomendar o lançamento das negociações às comissões políticas dos respetivos partidos. No caso dos sociais-democratas, o acordo vai ser submetido aos delegados ao congresso do partido previsto para domingo.

O acordo foi alcançado dois dias depois de o partido ecologista Verdes ter rejeitado iniciar negociações para uma coligação com os conservadores, citando diferenças irreconciliáveis.

Merkel liderou uma grande coligação com o SPD na sua primeira legislatura, entre 2005 e 2009 e, segundo sondagens, esta é a opção preferida tanto pelos eleitores como pela indústria alemã.

Segundo os media alemães, as exigências feitas pelo SPD foram a criação de um salário mínimo único para todas as profissões e a designação de cinco a seis ministros dos 16 que compõem o governo.

A CDU/CSU obteve 41,5% dos votos nas eleições de setembro, ficando a cinco lugares da maioria absoluta. O SPD obteve 25,7% e os Verdes 8,4%.