Foi sem luz que ficou a Catedral de Colónia durante esta tarde, na Alemanha. Foi no escuro que decorreu o protesto contra a marcha que atravessa a cidade, organizada pelo grupo Pegida contra a «islamização».

A decisão foi tomada pelo decano da catedral, Norbert Feldhoff, que quis lançar um desafio. « Apagando as luzes queremos fazer com que aqueles que participam da marcha façam uma pausa e pensem. É um desafio para os que marcham», disse ao jornal «The Telegraph».

Em Dresden, outra cidade alemã, o Superoper (casa de ópera da cidade) também desligou as luzes em protesto. Foi neste local que o Pegida iniciou as manifestações e reuniu no passado dia 22 de dezembro cerca de 17 mil pessoas. 

A Voklswagen anunciou também que desligará a iluminação da fábrica em apoio a uma sociedade aberta, livre e democrática. 

Angela Merkel, durante o discurso de Ano Novo, pediu para o povo não apoiar a organização. 

Estão previstos três atos de rejeição à islamofobia em Berlim, entre eles o convocado pela comunidade turca perante o Portão de Brandemburgo.