"O reino acredita que pode haver um cessar-fogo de cinco dias no Iémen para que, em coordenação com as organizações internacionais de ajuda humanitária, possa ser prestada assistência", disse o chefe da diplomacia saudita, Adel al-Jubeir, numa conferência de imprensa conjunta em Riade com o seu homólogo dos Estados Unidos, John Kerry.

O diplomata saudita considerou, no entanto, que para este cessar-fogo acontecer, "os rebeldes xiitas e os seus aliados - os soldados leais ao antigo presidente Ali Abdullah Saleh -, não devem impedir os esforços humanitários nem envolver-se em ações agressivas".