O clérigo moderado Hassan Rohani foi este sábado investido Presidente do Irão após a confirmação da sua eleição pelo guia supremo da República Islâmica, o 'ayatollah' Ali Khamenei, durante uma cerimónia transmitida em direto pela televisão estatal iraniana.

«Existe uma clara mensagem ao eleger um homem competente com mais de três décadas ao serviço da instituição [da república islâmica]», escreveu o guia supremo no decreto de investidura, lido pelo seu chefe de gabinete.

«A mensagem é de lealdade para com a revolução [islâmica], de esperança na instituição (...) e de confiança em indivíduos determinados em ser bem-sucedidos e em reduzir os problemas» do Irão, acrescentou o texto.

Ali Khamenei afirmou que Rohani «pertence a uma fortaleza clerical que enfrentou inimigos».

O guia supremo pediu ao novo chefe de Estado iraniano para «defender os objetivos da instituição islâmica e os direitos da nação, e para enfrentar a arrogância e os provocadores», numa referência às potências ocidentais.

Durante a cerimónia de investidura, o novo Presidente iraniano declarou que o seu governo vai trabalhar para «levantar as sanções injustas» adotadas pelos países ocidentais em resposta ao controverso programa nuclear do regime de Teerão.

«O governo vai trabalhar para salvar a economia, relançar um entendimento construtivo com o mundo (...), assegurar os interesses nacionais e levantar as sanções injustas», declarou Rohani, no seu discurso de investidura.

Rohani, de 64 anos, sucede na liderança iraniana ao polémico Mahmud Ahmadinejad.

Considerado um moderado, pela experiência como negociador nuclear sob a presidência do reformista Mohammad Khatami e pelas críticas que fez ao conservador Ahmadinejad, Rohani prometeu uma abordagem «construtiva» ao Ocidente, assegurando no entanto que não haverá qualquer «rendição».

Um apoiante incontestável da Revolução Islâmica de 1979, Rohani tem um percurso marcado por cargos políticos importantes: deputado (1980-2000), secretário do conselho supremo de segurança nacional (1989-2005), do qual continua a ser membro, e principal negociador nuclear (2003-2005), quando o Irão aceitou uma moratória ao enriquecimento de urânio, o principal objetivo das potências ocidentais nas negociações sobre o programa nuclear.

No domingo, Rohani, eleito em junho, é investido pelo parlamento, dando início a um prazo de dez dias para apresentar o seu governo.