Campanhas de testes de vacinas contra o ébola irão começar em janeiro de 2015 nos três países mais afetados pelo surto da doença, anunciou esta terça-feira a Organização Mundial de Saúde.

Segundo a OMS, o início das campanhas de testes de vacinas nos países afetados está dependente dos resultados das experiências clínicas em voluntários, que irão começar nas próximas duas semanas.

«Não sabemos quantas doses de vacina serão disponibilizadas em 2015, mas temos a certeza que estará disponível», disse a médica Paule Kieny, assistente do diretor-geral para os Sistemas de Saúde e Inovação.

Desenvolvidas pela GlaxoSmithKline (GSK) e Newlink Genetics, as duas vacinas já testadas em animais irão ser experimentadas em humanos numa primeira de fase de avaliação para determinar a sua segurança, eficácia e resposta imunitária.

As experiências irão continuar nos próximos meses, mas a OMS espera «obter os resultados iniciais das vacinas relativos à segurança e à imunidade para determinar os níveis das doses em dezembro de 2014», referiu Paule Kieny.

Ambas as vacinas vão conter uma componente do vírus ébola com o objetivo de estimular a resposta imunitária sem riscos de contaminação. «Não se pode ser contaminado por ébola com a vacina», assegurou a colaboradora da OMS.

A vacina ChAd3 de GSK está em fase experimental nos Estados Unidos, no Reino Unido, no Mali e vai entrar em fase de teste em Lausanne, na Suíça, no final no mês. Segundo Paule Kieny, a fase de testes em Lausanne inclui voluntários que serão submetidos a duas doses da vacina.

A vacina rVSV, da Newlink Genetics, está a ser testada nos Estados Unidos e será experimentada em voluntários na Alemanha, Gabão, Quénia e em Genebra, Suíça.

«Esta fase é importante porque queremos ter o máximo de dose de vacinas disponíveis (...) mas neste momento o mais importante é saber quais são as doses seguras e quais são as doses que são eficazes», sublinhou a fonte.

Quanto às 800 doses de vacina que o Governo canadiano doou à OMS, elas irão chegar esta terça-feira à Suíça e serão colocadas no Hospital universitário de Genebra (HUG) até serem distribuídas em África.

A agência de saúde do Canadá desenvolveu inicialmente a vacina rVSV, mas vendeu a patente à empresa norte-americana Newlink Genetics.

«Estas não são as únicas vacinas, outras empresas estão a desenvolver vacinas», apontou a médica da OMS.

Em paralelo, os governos dos países mais afetados estão a debater a estratégia a adotar para implementar as campanhas de testes de vacinação, previstas em 2015.

De acordo com a OMS, o ébola já provocou mais de 4.500 mortos desde o início do ano e os países mais são a Libéria, a Serra Leoa e a Guiné-Conacri.