Shukria Barakzai, uma líder afegã, sobreviveu a um atentado suicida, no domingo de manhã, em Cabul. A defensora dos direitos das mulheres sofreu apenas leves ferimentos, mas a bomba matou três pessoas e feriu 32, segundo as autoridades afegãs.
 
O atacante, que conduzia um Toyota Corolla, detonou os explosivos ao lado do veículo de Barakzai, que se dirigia a uma sessão no Parlamento.
 
Shukria Barakzai é membro do parlamento afegão, defensora dos direitos das mulheres e uma aliada próxima do novo Presidente, Ashraf Ghani, que condenou o ataque num comunicado. A líder fez parte da assembleia que aprovou a Constituição do Afeganistão no início de 2004, foi eleita para o Parlamento no ano seguinte e reeleita em 2010.
 
Barakzai administrou escolas clandestinas para raparigas durante a era Taliban, durante a qual foram impostas restrições rígidas sobre as mulheres, e rapidamente se tornou uma figura pública no Afeganistão depois de os americanos derrubarem o governo Taliban.
 
«Sobrevivi por causa das orações do meu povo», disse Barakzai à Reuters.
 
Barakzai foi nomeada para ajudar a escolher um novo gabinete depois de ter assumido o cargo no final de setembro, após uma disputa longa sobre os resultados das eleições com o rival Abdullah Abdullah.
 
No domingo à noite, ainda não havia nenhuma reivindicação de responsabilidade pelo ataque. Zabiullah Mujahid, porta-voz dos Talibans, disse que não sabia se os insurgentes tinham realizado o ataque, mas que estava a verificar.