O primeiro-ministro Alexis Tsipras cedeu praticamente em toda a linha, mas para a Comissão Europeia o povo grego não está a ser humilhado, com o acordo alcançado 17 horas depois de uma longa maratona negocial que se arrastou madrugada dentro, esta segunda-feira. 

Numa rápida conferência de imprensa conjunta, o presidentes da Comissão Europeia, Eurogrupo e Conselho Europeu deram conta das conclusões da cimeira europeia.

"Como é um compromisso, não há vencedores e vencidos. Não creio que povo grego esteja a ser humilhado"


Palavras de Jean-Claude Juncker, depois de o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem ter adiantado que as negociações sobre o empréstimo-ponte para a Grécia arrancaram imediatamente, para ajudar o país a cobrir os seus reembolsos de dívida este verão.

Na mesma linha, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, notou e "urgência" em discutir no Eurogrupo como ajudar a Grécia no curto prazo:
 
"Temos muito para fazer nas próximas semanas e as atenções estão viradas para o parlamento grego", afirmou também Dijsselbloem.

Juncker repescou também esse ponto, mostrando-se "convencido" de que o governo será "capaz" de passar medidas no parlamento.