A Croácia abriu a fronteira com a Sérvia e deixou entrar cerca de 3.000 refugiados que estavam “retidos” na vila fronteiriça de Berkasovo, em condições que o Alto Comissariado da Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) classificou como “horríveis”.

Segundo disse uma testemunha, à AFP, todos os refugiados que estavam num campo ao frio e à chuva atravessaram a fronteira para a Croácia. Do outro lado estão autocarros que os vão levar para um centro de acolhimento.

“Toda a gente que ali estava atravessou [a fronteira]”.


No entanto, milhares de refugiados continuam sem conseguir sair da Croácia devido às restrições  impostas pela Eslovénia, mas também pela Hungria, que encerrou as suas fronteiras.

Esta segunda-feira a porta-voz da ACNUR, Melita Sunjic, já tinha alertado que só na Sérvia há 10.000 refugiados, onde há falta de bens essenciais como comida ou cobertores.

Sunjic classifica as condições como “horríveis”, e alerta para a presença de crianças e pessoas com limitações nos campos junto à fronteira.

“Temos muitas crianças pequenas. Temos pessoas com limitações e outras que adoeceram durante o percurso que fizeram. Este não é o local para [eles], não conseguem dormir - só conseguem estar de pé na lama. Temos de encontrar outra solução, disse Sunjic.