O ministro dos Transportes francês comunicou que a causa do descarrilamento do comboio na região de Paris, com seis mortos, terá sido motivado por um problema nas agulhas de mudança de linha, a 200 metros da gare.

O comboio que saiu esta terça-feira às 16:53 (15:53 em Lisboa) da Gare de Austerlitz, em Paris, com destino a Limoges, no sul de França, descarrilou às 17:14 locais (16:14 de Lisboa), perto da gare de Brétigny-sur-Orge, a cerca de 40 quilómetros de Paris, provocando até agora seis mortos e 22 feridos garves.

O comboio, que transportava 385 passageiros, terá descarrilado a uma velocidade de 137 quilómetros hora devido a um problema nas agulhas de mudança de linha, registado a 200 metros da gare, segundo um comunicado do ministro dos Transportes francês. A última operação de vigilância na via número um, onde ocorreu o acidente, deu-se a 4 de julho.

O ministro adiantou também que existem obras recentes na via número dois, mas que em nada afetam a circulação da via número um.

Um responsável da companhia de transportes francesa SNCF destacou o trabalho levado a cabo pelos funcionários de serviço que puseram em marcha as devidas medidas de segurança que permitiram parar o comboio e evitar que o mesmo embatesse num outro que se aproximava no sentido contrário.

Até ao momento confirmam-se seis mortos, 22 feridos graves e mais de 190 pessoas assistidas nos hospitais . A operação inclui trezentos bombeiros, vinte equipas de emergência médica e oito helicópteros.

Não é dada permissão aos jornalistas para se aproximarem da gare, estando confinados a uma zona delimitada, nas imediações do local do acidente. Os bombeiros continuam no local e a polícia está presente em toda a área próxima da estação, como confirmou a agência Lusa. O desfile de camiões de bombeiros ainda é intenso, assim como a passagem de helicópteros, que sobrevoam constantemente a zona.