Pelo menos 43 pessoas, na maioria idosas, morreram esta sexta-feira num choque frontal entre um autocarro de passageiros e um camião de transporte de madeira numa estrada secundária perto de Libourne, na região vinícola de Gironde, a cerca de 50 quilómetros de Bordéus, França, pelas 7:30 locais.
 
Quarenta e duas vítimas mortais são passageiros, sendo a 42.ª o condutor do camião. O número de vítimas mortais subiu de 42 para 43 após o corpo de um bebé ter sido descoberto dentro do autocarro.  Há ainda registo de oito feridos, entre eles o motorista do autocarro, e quatro encontram-se em estado considerado grave. Os dois veículos chocaram frontalmente, incendiando-se logo de seguida.
 
O porta-voz do Ministério do Interior francês veio entretanto esclarecer que, aparentemente, todas as vítimas do acidente "são francesas" e da região de Petit Palais, situada a poucos quilómetros do local do acidente. 

O presidente francês, François Hollande, que se encontra em visita oficial a Atenas, garantiu que “o Governo francês foi totalmente mobilizado para esta terrível tragédia”.
 
Mas também o chefe de Governo, Manuel Valls, se pronunciou pelas redes sociais. Fala "numa catástrofe" e envia o seu "apoio e compaixão" às famílias das vítimas.
 
Trata-se do pior acidente de viação ocorrido em França nos últimos 30 anos.

Segundo informação oficial, os feridos são passageiros que conseguiram sair do autocarro em chamas, depois de o motorista do autocarro ter conseguido abrir a porta, permitindo que oito pessoas escapassem da viatura, alguns praticamente ilesos.

As autoridades francesas já abriram um inquérito preliminar ao acidente, cujas causas do embate continuam por apurar, sabendo-se, no entanto, que o choque frontal ocorreu numa curva apertada e com pouca visibilidade.
 
O autocarro transportava 50 pessoas que seguiam numa excursão à região de Landes: 49 passageiros e o motorista. Os passageiros eram pessoas idosas inscritas no centro de dia de Petit-Palais-et-Cornemps, vila com uma população de 700 habitantes, que também serve outra vilas vizinhas.

Em declarações ao canal francês I-Tele, um residente da zona explicou que tudo aconteceu numa curva considerada muito perigosa.