O condutor do autocarro que sofreu este domingo um acidente em Freginals (Tarragona, Espanha), causando a morte a 13 estudantes, vai responder na segunda-feira perante um juíz por "13 delitos de homicídio por imprudência", noticiou o jornal La Vanguardia.

De acordo com o conselheiro do Interior (Administração Interna) da Generalitat (governo regional da Catalunha), Jordi Jané, o condutor foi ouvido hoje de manhã pelos Mossos d'Esquadra (a polícia autonómica catalã) na qualidade de "investigado", devido à possibilidade de ter cometido algum delito. As análises que lhe fizeram para detetar drogas ou álcool deram ambas "negativo".

No entanto, o jornal catalão La Vanguardia noticiou este domingo que o condutor - um motorista com 17 anos de experiência em autocarros e sem nenhum acidente prévio - vai ser ouvido como "imputado" (figura penal espanhola equivalente ao "arguido" em Portugal) por "13 delitos de homicídio por imprudência".

Os investigadores puseram desde cedo a hipótese de o condutor ter adormecido ao volante. Já o Governo regional e o Governo central em Madrid atribuíram o acidente a "fatores humanos", descartando qualquer avaria técnica no autocarro.

Jordi Jané reiterou que as marcas deixadas pelos pneus do autocarro indicam que houve "uma manobra repentina em que [o autocarro] vai repentinamente para a direita e, de repente, dá-se uma guinada de volante para a esquerda, provocando um gravíssimo impacto", no caso um "acidente fatal".

O acidente causou pelo menos 13 mortos - todas raparigas estudantes do programa Erasmus e estrangeiras - bem como 50 feridos, dos quais 23 ainda permanecem hospitalizados. Seis feridos encontram-se "em estado crítico" e foram transferidos para Barcelona.

A Proteção Civil da Generalitat indicou que no autocarro acidentado viajavam estudantes do Peru, Bulgária, Polónia, Irlanda, Palestina, Japão, Ucrânia, República Checa, Nova Zelândia, Reino Unido, Itália, Hungria, Alemanha, Suécia, Noruega e Suíça.

O acidente aconteceu às 06:00 da manhã locais, quando o autocarro da empresa Autocares Alejandro - que circulava na autoestrada AP-7, junto a Freginals, em Tarragona, rumo a Barcelona - perdeu o controlo, atravessou o separador e ficou voltado no sentido sul, colidindo com outro veículo. Envolveu 63 pessoas: o condutor e os 60 passageiros do autocarro, bem como duas pessoas que seguiam no ligeiro.

Sobre o ligeiro, que circulava em direção contrária, Jordi Jané declarou: "é certo que [que os seus dois ocupantes ] não têm qualquer culpa". Os dois ocupantes do ligeiro permanecem hospitalizadas.

Esta colisão é um dos acidentes de trânsito mais graves que ocorreram em Espanha desde 2000, com envolvimento de um autocarro de passageiros.

A 6 de julho de 2000 um autocarro no qual viajavam alunos catalães colidiu com um camião de transporte de gado na cidade de Soria Golmayo, provocando vinte mortos e treze feridos graves.