A Congregação dos Legionários de Cristo no Chile informou que o Vaticano instruiu um processo canónico, que se realizará em Roma, “sobre as acusações apresentadas em sede eclesiástica" contra o padre irlandês John O'Reilly, acusado de abuso sexual.

Em comunicado divulgado na segunda-feira, a congregação refere que “recebeu a notícia recentemente de que a Congregação para a Doutrina da Fé institui um tribunal eclesiástico em Roma” que será o que vai tratar o caso.

Não foram avançadas datas para o início do julgamento ou a pena passível de ser aplicada.

De acordo com a UOL Notícias, o padre irlandês John O'Riley, antigo líder da Congregação dos Legionários de Cristo e um dos mais influentes sacerdotes do Chile, próximo dos setores empresarial e político, foi considerado culpado por abusar sexualmente de uma menor de um Colégio da Ordem dos Legionários de Cristo, de Santiago, onde era guia espiritual, entre 2010 e 2012.

Em novembro de 2014 o padre foi condenado a quatro anos de pena suspensa, depois da qual será expulso do Chile. Em março do ano seguinte, o sacerdote também perdeu a nacionalidade chilena que lhe tinha sido concedida em 2008.

Ainda assim, de acordo com um relatório recente da polícia chilena, O'Riley diz-se inocente e nega as acusações, apesar de estar proibido de exercer funções religiosas públicas.

A igreja chilena pediu publicamente perdão em abril de 2011 pelos casos de pedofilia que envolveram cerca de 20 padres.

A Congregação dos Legionários de Cristo está no centro de um escândalo mundial pelo comportamento do seu fundador, o mexicano Marcial Maciel, falecido em 2008, acusado de abusos sexuais de menores e de manter uma vida dupla, com duas mulheres e vários filhos.