A história de Jody e John remonta a 2015. Jody Thompson estava já no estacionamento do Departamento da polícia de Poteau, em Oklahoma, Estados Unidos, onde tinha acabado de deixar o parceiro de trabalho. Não estava sequer de serviço, mas não resistiu quando ouviu uma chamada sobre um caso de abuso infantil. 

O caso tocou-o desde logo, até porque, antes de se juntar ao departamento de polícia, há 16 anos, Thompson trabalhava num escritório de advogados, onde trabalhava com casos de abuso infantil.

Quando resolveu responder à chamada, mal sabia que a criança no meio da investigação viria a tornar-se o seu filho.

Já tinha investigado casos de abuso infantil antes. Pensei logo que seria melhor eu avançar e responder", disse, em entrevista à CCB News. 

Quando chegou ao local, o polícia ficou chocado com o cenário que encontrou. Viu uma criança de oito anos subnutrida, amarrada com cintos e submersa numa lata do lixo cheia de água fria.

Não tinha um único sitio no corpo em que não se visse um hematoma. Foi o pior que já vi.”

Depois de cobrir a criança com um cobertor, deu-lhe o nome de John e levou-a para o Centro de Advocacia da Criança, em Oklahoma, para que os detetives e investigadores pudessem registar as lesões que o menino apresentava.

Quando ele foi internado na unidade de cuidados intensivos, sentei-me a noite toda ao lado dele, até ao dia seguinte."

Thompson recusou-se a deixar John. Sabia, desde o primeiro momento em que o viu, que queria cuidar dele para o resto da vida.

No dia seguinte, Thompson entrou em contacto com o Departamento de Serviços Humanos de Oklahoma (DHS) para se tornar pai adotivo. Alguns dias depois, levou John para casa.

Na altura, eu tinha um filho de 15 anos e um filho de oito anos. Quando trouxe John para casa, não lhes contei, nem à minha esposa", disse Thompson.

 

Eles confiavam em mim e sabiam que estava a fazer tudo bem.”

Thompson adotou John a 30 de abril de 2015. Dois dias depois, descobriu que a esposa estava grávida do terceiro filho biológico do casal.

Mas a história não fica por aqui. Quase sete meses depois, a 3 de novembro de 2015, o Departamento de Serviços Humanos de Oklahoma chamou Thompson e a mulher para informar que a mãe de John tinha dado à luz uma menina na prisão. Os responsáveis perguntaram ao casal se não estariam interessados em adotar também a irmã de John.

Nós literalmente levámo-la do hospital no dia seguinte, quando ela tinha apenas um dia", disse Thompson.

 

Nunca na minha vida sonhei ter uma família tão grande.”