O Congresso norte-americano e a capital federal dos Estados Unidos prestam uma homenagem solene e rara ao senador e ex-candidato presidencial republicano John McCain, que morreu no passado dia 25 de agosto aos 81 anos.

A urna com os restos mortais de McCain, um antigo piloto da Força Aérea da Marinha americana que foi prisioneiro de guerra no Vietname, chegou hoje ao Capitólio, a sede do Congresso norte-americano em Washington, pelas 10:53 locais (15:53 em Lisboa) e estará em câmara ardente numa sala situada por baixo da cúpula do reconhecido edifício, uma honra reservada a pouco mais de três dezenas de pessoas na história norte-americana.

Após tributos realizados no Arizona, Estado que McCain representou no Congresso desde 1987, a cerimónia no Capitólio será acompanhada pela mãe do senador, Roberta, de 106 anos, pelos seus sete filhos e pela sua mulher, Cindy.

Senadores, membros eleitos da Câmara de Representantes (câmara baixa do Congresso) e governadores, democratas e republicanos, bem como diplomatas, comparecem nesta cerimónia.

Os líderes republicanos do Senado (câmara alta do Congresso) e da Câmara dos Representantes vão pronunciar um discurso antes do vice-presidente norte-americano, Mike Pence.

O grande ausente nas cerimónias previstas será o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com quem McCain tinha fortes divergências.

Esta cerimónia acontece antes das cerimónias fúnebres, previstas para sábado na Catedral Nacional de Washington, e do funeral privado no cemitério da Academia Naval em Annapolis, no domingo.