Notícia atualizada às 00:05

 

Dois F-16 da Força Aérea Portuguesa intercetaram, na madrugada desta quarta-feira, dois aviões militares russos, sobre o Atlântico, a Oeste de Portugal. A informação é confirmada pela NATO, através de um comunicado colocado no site da organização. A TVI apurou que o incidente aconteceu em «espaço aéreo internacional» e «não em espaço aéreo português».

 

Aviões russos em espaço português? «Nem na Guerra Fria...»

 

A TVI contactou a Força Aérea, que se escusou a fazer qualquer comentário, por se tratar de uma operação da NATO.

 

De acordo com o comunicado da Organização do Tratado do Atlântico Norte, esta quarta-feira, cerca das 03:00, os radares «detetaram e rastrearam oito aviões russos, que voavam em formação sobre o Mar do Norte». Foram acionados aviões da Força Aérea Real da Noruega, que intercetaram e identificaram os aparelhos russos. Seis das aeronaves russas mudaram de rumo, em direção à Rússia, mas dois dos aparelhos seguiram na direção sudoeste, «paralelos à costa norueguesa».

 

Quando os aparelhos já circulavam «sobre o Oceano Atlântico, a oeste de Portugal, os dois aviões russos foram intercetados e identificados por F-16 da Força Aérea Portuguesa».

 

O comunicado da NATO acrescenta que os aparelhos russos seguiram depois para direção nordeste, para oeste do Reino Unido.

 

O comunicado adianta ainda que os aparelhos russos não apresentaram planos de voo, nem mantiveram contactos com as autoridades civis de controlo de tráfego aéreo e tinham os transponders (dispositivos que permitem a identificação e deteção dos aviões) desligados. «Isso representava um potencial risco para a aviação civil, já que o controlo de tráfego aéreo civil não pode detetar essas aeronaves ou garantir que não haja interferência com o tráfego aéreo civil», sublinha a NATO.

 

A Organização do Tratado do Atlântico Norte dá ainda conta de outras interceções de aparelhos militares russos em espaço aéreo internacional. Ao todo entre esta terça e quarta-feira, foram detetados e monitorizados «quatro grupos de aparelhos militares russos», em manobras militares, sobre o Báltico, o Mardo Norte, o Oceano Atlântico e o Mar Negro. 

 

O Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA) confirmou que foram de manhã «detetadas duas aeronaves não identificadas em espaço aéreo de responsabilidade portuguesa», que dois F-16 da Força Aérea Portuguesa identificaram e escoltaram.

 

«Foram acionados os meios de alerta previstos neste tipo de situações no quadro da NATO, tendo dois caças F-16 portugueses identificado duas aeronaves militares russas, que encaminharam para fora do espaço aéreo de responsabilidade nacional», refere o EMGFA, num comunicado enviado à agência Lusa.

 

Na mesma nota, o EMGFA esclarece que «os meios acionados cumpriram a sua missão, encontrando-se a situação a ser acompanhada no âmbito da NATO».