A China e Taiwan voltaram à disputa num alegado caso de recrutamento de estudantes chineses nas universidades de Taiwan com o fim de realizarem atos de espionagem, uma situação revelada esta terça-feira pelo jornal oficial Global Times e já negada por Taipé.

O Gabinete de Segurança Nacional de Taiwan negou o recrutamento de estudantes da China para universidades taiwanesas, assegurou que respeita a liberdade académica e acusou Pequim de não fazer o mesmo, ao submeter os seus alunos a interrogatórios quando regressam de Taiwan, de acordo com um comunicado oficial divulgado esta terça-feira.

Em resposta ao detalhado artigo do Global Times, em que se falava de pelo menos 40 casos de recrutamento levados a cabo por três espiões taiwaneses, o Gabinete de Segurança Nacional disse nunca ter ouvido falar das pessoas mencionadas.