Quase 15.000 sauditas assinaram uma petição que pede o fim do sistema de tutela dos homens sobre as mulheres, que as obriga a pedir autorização para estudar, trabalhar, casar ou sair do país, informou esta terça-feira a ativista Aziza Al-Yousef.

Todas as mulheres têm um "guardião" associado, normalmente o pai ou marido, até um filho, no caso de viuvez. 

A petição, dirigida ao rei Salman, pede que as mulheres sejam tratadas “como cidadãos de pleno direito” e que seja definida “uma idade a partir da qual elas sejam consideradas adultas e responsáveis pelos seus atos”, explicou à agência France-Presse a ativista.

Yousef, professora universitária jubilada, disse ter tentado, sem êxito, entregar a petição, já com 14.700 assinaturas, no gabinete real na segunda-feira.

A ativista vai agora enviá-la por correio eletrónico, como pedido.

Este não é um problema exclusivo de mulheres, também está a colocar pressão nos homens, não é um problema só para mulheres", afirmou Al-Yosef ao The Guardian.